Acupuntura

Foram supostamente os antigos chineses que descobriram pela primeira vez os rudimentos da acupuntura, há cerca de 3500 anos, quando verificaram que alguns guerreiros feridos por setas pareciam sentir algum alívio de problemas crónicos assim que as feridas saravam.


À medida que os meridianos através dos quais flui o chi foram sendo identificados, descobriram-se pontos específicos de acupuntura. Pedaços afiados de osso, bambu ou fragmentos de cerâmica eram inseridos nos pontos para restaurar o fluxo de chi.

Embora a acupunctura moderna se baseie em princípios antigos, a sua prática é muito diferente — os acupuntores usam agulhas muito finas de aço inoxidável esterilizadas ou de usar e deitar fora. A inserção das agulhas é rápida e praticamente não causa dor, embora se possa sentir uma picada conhecida como «sensação da agulha». O especialista pode manipular as agulhas entre o dedo e o polegar ou fazer passar uma corrente elétrica através delas.

Os acupuntores também praticam uma técnica denominada moxibustão. Esta implica queimar ervas (normalmente artemísia) para criar um ligeiro calor junto aos pontos de acupunctura. Crê-se que isto estimula também o fluxo de chi.

Uma primeira sessão com um acupuntor pode chegar a demorar 90 minutos, dado que se elabora um historial clínico do doente, se examina a língua, se medem as pulsações arteriais nos pulsos (seis em cada) e se constrói uma imagem geral da saúde e do comportamento do indivíduo.


Durante o tratamento, as agulhas de acupuntura devem ser deixadas a actuar durante 10 minutos a meia hora. Se os efeitos curativos forem espetaculares, poderão ser necessárias apenas uma ou duas sessões. Alguns problemas podem demorar mais tempo a tirar proveito do tratamento, mas é provável notar-se um certo grau de mudança ao fim de cinco sessões.

A asma, a depressão, problemas circulatórios e de costas, vícios, dores crónicas e sintomas da menopausa já foram tratados com êxito por meio da acupuntura. Muitas pessoas recorrem à acupunctura para que esta os ajude a deixar de fumar.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*