Aditivos Alimentares

Não é fácil hoje em dia saber exatamente o que se compra. Atualmente, a maioria dos alimentos transformados contêm aditivos alimentares, tanto naturais como artificiais. Se bem que os consumidores tenham o direito de desconfiar deles, a boa notícia é que, na sua maioria, os aditivos são seguros e, em alguns casos, podem mesmo ser benéficos. De facto, mais preocupantes podem ser as substâncias químicas acidentais ou contaminantes (incluindo pesticidas, hormonas e antibióticos) que tantas vezes acabam no nosso prato.


Porquê aditivos alimentares?

Durante o século passado, à medida que mais pessoas se deslocavam do campo para as cidades, aumentou a procura de muitos alimentos que estivessem disponíveis o ano inteiro. Em consequência, os fabricantes incrementaram o uso de aditivos para ampliar os prazos de validade, garantir a segurança e realçar o aspeto dos seus produtos. Eis algumas das categorias comuns:


  • Conservantes. Retardam a deterioração, prevenindo a criação de bactérias e bolores. Exemplos: antioxidantes (vitamina C, vitamina E, BHA, BHT) e antimicrobianos (propionato de cálcio ou benzoato de sódio).
  • Corantes. Melhoram o aspecto. Exemplos: E100 Curcumina, E110 Amarelosol, E127 Eritrosina, E132 Indigotina, E155 Castanho HT, E160 a) Betacaroteno.
  • Intensificadores do sabor. Melhoram o sabor. Exemplos: E621 Glutamato monossódico, E627 Guanilato bissódico.
  • Emulsionantes ou espessantes. Aumentam a textura e a consistência. Exemplos: E414 Goma-arábica, E322 Lecitina, E412 Goma de guar.
  • Humectantes. Conservam a humidade dos alimentos. Exemplos: E420 Sorbitol, E422 Glicerol, E966 Lactictol.

A segurança na utilização dos aditivos tem como princípio básico a avaliação toxicológica feita, segundo regras próprias, por organismos internacionais mundialmente reconhecidos.

A inocuidade de qualquer substância não pode ser considerada em termos absolutos e está estritamente relacionada com a dose ingerida. Exceto no que se refere a muito pou­cas pessoas, hipersensíveis a certos aditivos, co­mo os sulfitos, as reações adversas são raras.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*