Body Balance – Flexibilidade, Relaxamento e Energia

Inserido nos programas Body Training Systems, o Body Balance combina artes orientais como o Yoga e o Tai Chi com métodos menos conhecidos desenvolvidos no século passado, como o Pilates (inicialmente concebido para reabilitação de bailarinos, centra-se no alongamento e fortalecimento muscular) e o Feldenkrais (com enfoque no aumento da amplitude e funcionalidade dos movimentos) para proporcionar aos seus praticantes uma sensação de bem-estar global.


Recomendadas para todas as idades, as aulas de Body Balance duram uma hora e são compostas por sequências pré-coreografada de movimentos coordenadas com música, que visam aumentar a força (sem provocar hipertrofia dos músculos), melhorar o equilíbrio, a flexibilidade e mobilidade, corrigindo simultaneamente a postura, promovendo a descontração e relaxamento, proporcionando ainda energia. Com uma enorme ênfase na sincronia da respiração com os movimentos, desenvolvem a percepção espacial e a capacidade de concentração.


Body Balance e Flexible Strength

Desenvolvido pela Universidade Reebok, o Flexible Strength é um programa de fitness baseado no Yoga e concebido para aumentar a força e flexibilidade musculares através de módulos. Estes módulos são constituídos por séries de movimentos combinados de forma fluida, que podem ser repetidas durante a aula. Apesar de trabalhar todos os grandes grupos musculares, dá-se particular atenção aos músculos dos ombros, pernas e todos aqueles que interferem na nossa postura, estabilidade, mobilidade e equilíbrio.

A prática regular desta modalidade promove o desenvolvimento de músculos harmoniosos e flexíveis, fortes mas não volumosos — ideal para as mulheres que receiam ficar com “batatas” devido às atividades físicas que envolvem pesos.

Nos anos 80, Beryl Bender Birch, professora da variante Ashtanga do Ioga, decidiu introduzir a expressão Power Yoga para promover os seus ensinamentos desta arte milenar como um programa não só para a mente mas também, e sobretudo, para o corpo. A adopção desta designação visava uma maior identificação da comunidade ocidental com esta prática, uma iniciativa que acabaria por dar frutos.

Contrariamente a outras variantes de Yga, as aulas de Power Yoga não incluem meditação. Depois do aquecimento (“Saudações ao Sor), parte-se para sequências de posturas progressivas que abrangem os grandes grupos musculares numa enorme amplitude de movimentos. A respiração é de uma importância vital, recorrendo-se à ujjayi, uma técnica que estimula o sistema nervoso parassimpático e proporciona uma sensação de calma que se prolonga muito para além do fim da aula.

Além de uma sudação intensa e do gasto significativo de calorias, o Power Yoga desenvolve a força, a flexibilidade e o equilíbrio, reduz o stress, elimina toxinas, melhora a circulação e ajuda a prevenir lesões.

Além da redução dos níveis de stress e da promoção da definição, força e flexibilidade musculares, estas modalidades desportivas possibilitam a manutenção e melhoria do equilíbrio, fundamental em todas as actividades diárias. A partir dos 25 anos, é normal começarmos a perder esta capacidade, o que se reflete numa maior propensão para quedas, embates em objetos ou lesões. É à falta de equilíbrio, aliás, que se atribui uma percentagem significativa de entorses e lesões relacionadas com a prática desportiva. Oferecidas por muitos ginásios e health clubs, estas três modalidades, entre muitas outras por onde escolher, ajudam a reverter este processo, proporcionando-lhe uma melhor qualidade de vida e bem-estar.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*