Será Que o Ovo Aumenta o Colesterol?

Os ovos são um alimento nutritivo, saboroso e de baixo preço. Mas são muito ricos em colesterol e, quando ingeridos crus ou mal passados, podem ser nocivos. Não admira que exista alguma confusão quanto a incluí-los em quantidade no regime alimentar habitual.

O ovo aumenta o colesterol?

Um ovo inteiro tem, em média, apenas 70 calorias, mas fornece cerca de 10% das necessidades diárias de proteínas, além de outros nutrientes. A gema contém cerca de 215 mg de colesterol. Como se pensa que o colesterol alimentar aumenta o colesterol do sangue e, consequentemente, o risco de ataque cardíaco, as recomendações internacionais aconselham a comer gemas de ovo com moderação, como parte de um regime alimentar equilibrado e pobre em gorduras.

Uma análise recente de mais de 200 estudos confirmou que o responsável pelos níveis elevados de colesterol são as gorduras saturadas, e não o colesterol de origem alimentar. (Um ovo grande contém apenas 2 g de gordura saturada.) Outros estudos concluíram que, para os jovens, comer três ou quatro ovos por dia não teve praticamente efeito no colesterol do seu sangue.

Alguns especialistas consideram atualmente que, se o colesterol do sangue estiver dentro dos parâmetros normais, não faz mal comer mais de quatro ovos por semana; outros discordam. Se os níveis de colesterol estiverem elevados, deve limitar-se o consumo de ovos e diminuir o de gorduras saturadas no regime alimentar, além de diminuir o excesso de peso.

A segurança dos ovos

A salmonela, uma bactéria frequentemente causadora de doenças ligadas à alimentação, pode encontrar-se no interior de ovos sem sinais de contaminação, pelo que não é seguro comê-los crus ou mal passados.

Os ovos mexidos e as omeletas devem ficar bem passados e não líquidos. Estrele ovos três minutos de cada lado (ou quatro minutos de um só lado, se a frigideira estiver com tampa). Os ovos escalfados devem ficar com a gema espessa. Evite ovos crus em preparados caseiros, como maionese ou sorvete. Conserve os ovos no frigorífico até três semanas dentro da embalagem e numa prateleira, nunca na porta. Depois de manusear ovos crus, lave as mãos, os utensílios e as superfícies de trabalho.

Em alguns países, muitos restaurantes preparam omeletas mal passadas e outros pratos de ovos, que só ficam bem cozinhados depois de duros, utilizando ovos pasteurizados, que eliminam o risco de salmonelas. Estes produtos comerciais apresentam-se sob a forma líquida (pasteurizar o ovo na casca não é prático).

Descubra se os ovos aumentam o colesterol

As alergias aos ovos

Os ovos podem causar reações alérgicas nas crianças com menos de 3 anos ou em pessoas sensíveis. Urticária na pele, habitualmente em redor da boca, é um sintoma comum. Se a criança tiver dificuldades em respirar, leve-a imediatamente ao médico.

Para evitar estas alergias, não dê ovos a uma criança antes de 1 ano de idade. Na maioria das crianças, as alergias desaparecem no espaço de um ano. Se estiver a amamentar e tiver uma história familiar de alergias, evite comer ovos durante esse período.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*