Perigos do Alumínio para a Saúde

O alumínio está presente na água que bebemos, nos antitranspirantes que usamos, nas panelas em que cozinhamos, nos pickles que mastigamos e na folha em que conservamos os alimentos. Encontra-se mesmo em medicamentos de venda livre, incluindo alguns antiácidos. Trata-se do alumínio. Embora este metal seja tóxico em grandes quantidades, apenas uma minúscula fração do que ingerimos é absorvida pelo organismo, e a maior parte desta é excretada.


O alumínio foi notícia quando vários estudos o associaram à doença de Alzheimer. Um deles revelava que os cérebros de alguns doentes que tinham morrido da doença continham níveis de alumínio mais elevados do que o normal. As preocupações aumentaram quando outro relatório revelou que as pessoas que consumiam água com níveis elevados deste metal tinham maior risco de sofrer da doença. Um terceiro estudo mostrava que doentes insuficientes renais a quem se administrara solução de diálise com elevado teor de alumínio tinham contraído uma espécie de demência semelhante à de Alzheimer.

Quando se retirou do fluido o metal, a demência passou. Outros estudos, porém, não apresentaram quaisquer provas de que o alumínio fosse nocivo, e certamente não aos níveis a que a maioria das pessoas está diariamente exposta. Por consequência, os cientistas começaram a duvidar das primeiras descobertas — afirmando, por exemplo, que o alumínio encontrado no cérebro dos doentes de Alzheimer poderia ser proveniente de substâncias utilizadas nos exames laboratoriais ao cérebro. Perguntaram-se ainda se não seria a doença de Alzheimer que provocava a absorção ou retenção do metal, em vez de ser o alumínio que desencadeava a doença. Não se encontraram respostas definitivas. Entretanto, se estiver preocupado com os efeitos do alumínio sobre a saúde, há precauções relativamente simples que pode tomar.

Se tiver de tomar medicamentos que contêm alumínio, evite ingeri-los com bebidas de frutos ácidos, particularmente sumo de laranja. O ácido pode provocar a dissolução do alumínio, facilitando a sua absorção pelo organismo.

Embora provavelmente os perigos sejam mínimos, há alguns alimentos que contêm alumínio, como aperitivos, cerveja, certos queijos ralados, sais de mesa e a maioria dos fermentos para bolos e farinhas com fermento (algumas não contêm alumínio — veja o rótulo). O alumínio está também presente em certos alimentos processados (torna-os cremosos) e na maioria dos leites artificiais para crianças. (Os que possuem aditivos, como sais de cálcio e proteína de soja, são usualmente os que contêm mais alumínio.) Se tomar suplementos de citrato de cálcio, saiba que o citrato aumenta a absorção do alumínio pelo organismo.


Finalmente, pode querer evitar antitranspirantes que contenham alumínio — especialmente em aerossol, pois libertam alumínio para o ar, podendo depois ser inalado. Além disso, o alumínio presente na maioria dos antitranspirantes pode causar reacções alérgicas em algumas pessoas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*